Fotos caseiras de vadia amadora no motel

Fotos caseiras de vadia amadora no motel. Amadora safada se exibindo no poste de pole dance no motel em fotos que caíram na net dessa Raquel gostosa delicia.

Fotos caseiras de vadia amadora no motel

http://asdanadinhas.com.br/fotos-amadoras/
http://asdanadinhas.com.br/contos-eroticos/

Principais páginas:
Fotos amadoras
Contos eróticos
Dicas de sexo
Sexologia

Dicas de sexo:
Como fazer um bom broche – 10 passos
Como não gozar rápido
Como deixar o pênis maior?

Leia também nossos contos eróticos:
Contos eróticos – A novinha vingativa 1
A mulatinha gostosa
3 dias de estupro – Capítulo 1: O encontro
Mamei por dinheiro

Veja alguns vídeos:
Ksalsafadomg surubas amadoras
Fernandinha Fernandez porno nacional
Rita Cadilac trepando na praia
Filme com kid bengala
Vivi Fernandes rabuda no anal

Parceiros:
videosgayme.com.br

Bônus: Contos eróticos “Mamei por dinheiro”

Me chamo Giulia, tenho 18 anos, cabelos pretos lisos, seios e bumbum grandes, 1,65 de altura, com um corpo bem atlético pois cuido muito da minha alimentação e exercícios físicos. Moro em Minas Gerais, na cidade de Belo Horizonte, e a algum tempo descobri a delícia que é poder gastar sem se preocupar. Com salão de beleza semanal, festas, academia, roupas e tudo que uma garota precisa fica complicado manter com a mesada que ganho dos meus pais de classe média.
Para resumir a história, eu estava gastando mais do que recebia, e não queria abrir mão de nenhuma das coisas que estava acostumada, então precisei de uma solução que me desse retorno rápido e “fácil”.
Conversando com um amigo, ele começou a brincar dizendo que eu deveria me prostituir, que ganharia R$200,00 por hora, e por mais que eu fosse fascinada por sexo desde os meus 13 anos quando perdi a virgindade, não me via fazendo isso, pelo menos não ainda.
Conversa vai e vem, até que ele me contou que havia mostrado minha foto pra um conhecido perguntando quanto pagaria só pra que eu chupasse ele, e que o cara tinha dito que mamando até gozar ele pagaria fácil uns R$100,00.
Ao mesmo tempo que não levei a sério a ideia, parei para pensar e já tinha chupado muitas e muitas vezes “desconhecidos” sem ganhar nada por isso, e sempre fiz o melhor que pude quando a matéria era boquete, então porque não receber por isso? Seria sujo cobrar pra dar prazer a alguém mesmo fazendo isso de graça?
Quando você faz uma faxina, um trabalho braçal cansativo você cobra e todos dizem ser algo honrado, porque então usar minha boca de forma cansativa para dar prazer seria uma coisa ruim? Essas questões me fizeram arriscar e pedir ao meu amigo que falasse pro rapaz que eu topava mamar por R$100,00.
Era uma situação engraçada, só de pensar um frio enorme na barriga começava, o medo de fazer aquilo e todos ficarem sabendo, ser tachada de puta, ou pior, meus pais descobrirem que mesmo me dando uma vida bacana eu precisava e queria mais a ponto de vender minha boca pra um desconhecido, era um tanto assustador.
Depois de exitar e voltar atrás algumas vezes, acabei marcando na minha casa mesmo, durante a manhã, já que fico sozinha até a noite, e assim o aguardado dia chegou.
Estava muito ansiosa esperando meu “cliente”, e falando assim era realmente muito estranho, seja la qual for o motivo mas os padrões morais impostos pela sociedade era tão forte que mesmo ante de fazer me sentia suja.
Enfim ele havia chegado, muito bem vestido, por volta de 1,85 de altura, um corpo musculoso, só de observar tinha vontade de fazer tudo de graça, mas tinha que manter a seriedade e dar a ele só o que pagaria para receber, afinal era uma relação estritamente profissional e não deveria sair daquilo.
Recebi muito bem ele, com saia e meia arrastão, além de uma blusa de abotoar bem aberta que fazia com que o decote favorecesse ainda mais meus seios grandes. Eu estava tão desconcertada com tudo aquilo que não sabia como me comportar, ofereci suco, e disse para ficar a vontade, então ele se sentou no sofá, tirou os sapatos com os pés, se esparramou todo, e disse “agora tira minha roupa”.
Aquela situação me encheu de tesão, ser uma espécie de escrava sexual era muito excitante e eu estava gostando antes mesmo de começar. Sentei em cima dele de frente, beijei sua boca bem de leve e retirei sua camisa. Em seguida escorreguei para o chão onde fiquei ajoelhada, abri sua calça e com bastante esforço consegui tirá-la. Seu corpo era espetacular, e só faltava a cueca, subi até ela beijando devagar suas coxas, e quando cheguei a retirei com a boca cuidadosamente.
Seu pau acompanhava a qualidade de todo o resto, e pra minha sorte ele era muito bem depilado. Quando segurei para começar a chupar ele tirou minha mão, apoio as pernas sobre os meus ombros, e disse “só comprei a sua boca, quero que você use apenas ela”.
Em seguida ele puxou minha cabeça em sua direção, esfregando meu rosto em seu saco grande, e tive que lamber tudo, brincando de colocá-lo inteiro na minha boca, o que era bem difícil por ser um saco pra lá de avantajado.
Enquanto eu chupava suas bolas ele batia com o pau na minha cara, era muito bom receber aquelas chicotadas, me deixavam ainda mais submissa. Então ele puxou meu cabelo, mandou eu abrir bem a boca, e colocou seu pau delicioso na minha garganta. Sem os braços o controle era ainda mais fácil para ele, que me fazia engolir até o talo, sem se importar com os engasgos que eu tinha, fazendo muitas vezes a gentileza de tampar o meu nariz, para me ver desesperada em busca de ar com aquela vara enorme ocupando minha boca.
Ficamos assim por uns quinze minutos, talvez pareça pouco mas quando se está passando por uma espécie de tortura, em que um pênis enorme é usado para te sufocar, esses quinze minutos parecem uma eternidade. O mais curioso de tudo aquilo é que eu estava louca de tesão e achando um máximo toda a situação.
Ele pediu que eu deitasse de cabeça para baixo no sofá, com as pernas para cima, e cabeça para fora, e assim começou a comer minha boca como se fosse minha pepeca. Ele fodia sem dó, eu podia sentir seu pau indo e voltando fundo na minha garganta, o saco batia na minha cara e tampava meu nariz, eu estava babando mais que um cachorro.
Por um momento cheguei a ficar zonza, ele era incansável, metia sem dó, e estava realmente fazendo o seu dinheiro valer a pena. Ele aproveitava para apalpar meus seios, e algumas vezes usando meu pescoço como apoio ele segurava firme, apertando para foder com ainda mais pressão. O que se iniciou como um boquete pago havia se transformado em uma verdadeira cena de garganta profunda brutal.
Ficamos assim por um tempo bom, ele metia tanto que era como se minha boca e minha garganta já estivessem se adaptado aquele pau gostoso. Estava entrando com uma facilidade gigantesca, e assim foi até que por fim ele me virou, me colocando deitada do jeito “normal” no sofá, e ejaculou na minha boca e no meu rosto. Era muita porra, fiquei impressionada, nunca tinha recebido uma gozada tão bem dada como aquela.
Pedi licença pra estar me limpando mas ele pediu que eu ficasse ali mais um pouco com o rosto coberto por esperma, só pra ele ficar me olhando, e como uma boa profissional eu fiz. Em seguida me pediu que tomasse um banho junto com ele, queria que eu o limpasse dos pés a cabeça, pensei em dizer não já que aquilo ia além do combinado, mas queria deixá-lo satisfeito, afinal ele poderia querer novamente, e se ia fazer aquilo, ter um cliente fixo como ele seria uma boa opção.
No banho, após me lavar, peguei o sabonete e passei no corpo dele, dos pés a cabeça, acredito que nunca tenha sido tratado tão bem assim antes. O ensaboei, enxaguei, sequei, e quando íamos colocar nossas roupas resolvi oferecer um bônus. Pedi que ele sentasse no vaso, e então mamei da minha forma, lambendo a cabeça do seu pau de forma circular com a língua, e batendo uma punheta ao mesmo tempo, ele estava muito relaxado, como se estivesse nas nuvens.
Depois de mais uma gozada que fiz questão de ter toda em minha boca, e que pra minha surpresa foi avantajada mesmo depois daquela primeira, nos vestimos, eu o ajudei a calça e fechar sua calça, por uns instantes até me esqueci que era uma relação profissional, mas ele fez questão de me lembrar dizendo “bom trabalho, valeu muito a pena” e concluindo com um beijo delicioso antes de sair.
O lado ruim dessa experiência foi ficar com vontade de tomar de todas as maneiras possíveis mas ter que me ater as regras impostas em nossa “negociação”. Mais tarde, já perto de dormir, depois de me masturbar intensamente, recebi um chamado no whatsapp, um outro desconhecido com a seguinte mensagem: “Oi Giulia, tudo bem? Me chamo Rodrigo, um amigo esteve hoje com você, disse que você faz maravilhas com a boca, e estou querendo experimentar, tem horário amanhã?”.
Como isso vem se desenrolando desde então eu conto em próximos textos, nesse vou ficando por aqui, se gostaram da minha experiência não deixe de curtir, comentar e compartilhar, isso é muito importante para que eu tenha vontade de continuar contando minhas experiências sexuais aqui. Um beijo delicioso para todos.

Obrigado por acompanhar As Danadinhas.

%d blogueiros gostam disto: